Voltar para   página anterior

Alto Sertão Sergipano recebe equipamentos para dinamizar o fluxo de informações do Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos

Por Tadzio Estevam


Doação dos equipamentos faz parte da estratégia de Nucleação do projeto no território do Alto Sertão Sergipano

A jovem agricultora Iva de Jesus recebeu um dos computadores cedidos pelo projeto. Fotos: Acervo Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos.

Mais uma etapa de desenvolvimento do Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos chega ao território do Alto Sertão Sergipano. A Associação de Certificação Orgânica Participativa de Agricultores e Agricultoras do Alto Sertão de Sergipe (ACOPASE) recebeu na última terça-feira (01) quatro computadores laptop para facilitar o tráfego de informações do projeto como um todo. Antes, essas informações levavam mais tempo para serem organizadas. A aquisição das máquinas se deu por meio da parceria estratégica do projeto Algodão com o projeto AKSSAM (Adaptando Conhecimento para a Agricultura Sustentável e o Acesso a Mercados), uma iniciativa do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), executado pelo Instituto de Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável (IPPDS), vinculado à Universidade Federal de Viçosa (UFV), de Minas Gerais.

A doação dos equipamentos faz parte da estratégia de Nucleação do projeto no território do Alto Sertão Sergipano. As máquinas foram entregues ao grupo de agricultores e agricultoras que já estão atuando como multiplicadores e multiplicadoras dos conhecimentos adquiridos na primeira fase do projeto. O grupo tem como responsabilidade dinamizar as informações para melhorar a gestão do sistema operacional e fluxo de informações da ACOPASE.

Iva de Jesus é agricultora multiplicadora do projeto em Sergipe e está como presidente da atual gestão da ACOPASE. Para ela, a chegada do equipamento “irá enriquecer o nosso trabalho diário que já vínhamos realizando como as famílias agricultoras. Também irá agilizar muitos processos como preenchimento de fichas, planilhas e documentação das famílias”.

De acordo com o coordenador do projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos pela Diaconia, Fábio Santiago, “este é mais um passo no empoderamento e fortalecimento da ACOPASE. Com isto será possível colocar os agricultores e agricultoras multiplicadores e multiplicadoras na linha de frente da gestão do sistema operacional de informações junto ao Ministério da Agricultura, Abastecimento e Pecuária (MAPA) quanto ao controle da conformidade orgânica dos alimentos que levarão o Selo Brasileiro Orgânico e diálogo direto com agentes de mercado. Ademais, vamos iniciar uma fase inédita do Projeto que é experimentar o registro das informações das unidades familiares produtivas diretamente pela ACOPASE, através de instrumentos de monitoramento, com assessoramento técnico do Centro Dom José Brandão de Castro (CDJBC). É uma felicidade ver tudo isso acontecendo”.

Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos – É uma iniciativa coordenada por Diaconia, em parceria com Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), Fundação Arthur Bernardes (FUNARBE), Universidade Federal de Viçosa (UFV), Instituto de Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável (IPPDS), Projeto AKSAAM (Adaptando Conhecimento para a Agricultura Sustentável e o Acesso a Mercados), Embrapa Algodão, Universidade Federal de Sergipe (UFS), Instituto SENAI de Tecnologia Têxtil e Confecções, Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), Agência Brasileira de Cooperação (ABC), Agricultura Y Ganaderia, Gobierno Nacional, Paraguai de la gente e o Programa Mundial de Alimentos, através Centro de Excelência Contra a Fome (WFP). O projeto conta com o apoio técnico e financeiro da Laudes Foundation.

Para a execução do projeto nos territórios, a Diaconia estabeleceu parcerias com ONG’s locais com experiência em Agroecologia que são responsáveis pelo assessoramento técnico para fortalecer os OPAC’s e a produção agroecológica.

No Sertão do Piauí, a Cáritas Diocesana de São Raimundo Nonato desenvolve as atividades na Serra da Capivara. No Sertão do Cariri, na Paraíba, o trabalho está sendo realizado pela Arribaçã. No Sertão do Araripe, em Pernambuco, as ONG’s CAATINGA e Chapada assumiram conjuntamente as ações do projeto. As atividades no Alto Sertão de Alagoas e no Alto Sertão de Sergipe estão a cargo do Instituto Palmas e do Centro Dom José Brandão de Castro, respectivamente.

No Sertão do Pajeú (PE) e no Oeste Potiguar (RN), territórios onde a Diaconia já mantém escritórios e atividades, ela mesma se encarrega da implementação das ações locais do projeto.