Voltar para   página anterior

Festa da Colheita no Sertão do Apodi (RN) comemora boa safra

Por Tadzio Estevam


30 famílias cadastradas conseguiram produzir três toneladas de pluma de algodão, 500 quilos de gergelim e pouco mais de uma tonelada de feijão

Fotos: Acervo Diaconia

A Festa da Colheita — Celebrando a Agrobiodiversidade está percorrendo os territórios do projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos para festejar os resultados obtidos durante o primeiro ano de atividades. Depois do Sertão do Pajeú (PE), as famílias agricultoras do Sertão do Apodi, no Rio Grande do Norte, se reuniram para celebrar a boa safra obtida no território potiguar. As 30 famílias cadastradas, distribuídas em quatro municípios, conseguiram produzir três toneladas de pluma de algodão, 500 quilos de gergelim e um pouco mais de uma tonelada de feijão. Os números foram divulgados na última quinta-feira (31) durante uma festa ocorrida na sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Umarizal, Oeste Potiguar.

“Para nós é uma alegria muito grande participar desta primeira festa da colheita aqui no Sertão do Apodi. Estamos trabalhando neste projeto desde 2017, discutindo as propostas e retomar o plantio do algodão em consórcio com outras culturas. É um trabalho feito por muitas mãos, onde cada um e cada uma que aqui está tem um papel importantíssimo para a agricultura familiar, responsável pelo alimento que nós consumimos seja no campo ou na cidade. Nosso desafio é conduzir este projeto nos seis estados onde ele atua. Aqui no Apodi, a Diaconia já atua há mais de 25 anos. Para nós esse momento é muito emocionante porque este território viveu uma experimentação de algodão muito forte no passado, o que faz dessas famílias vanguardistas no plantio desta cultura. Isso é emblemático”, disse a Coordenadora Geral da Diaconia, Waneska Bonfim.

Durante a celebração, três famílias agricultoras receberam uma placa por se destacarem na produção consorciada agroecológica. Entre elas, a família de Dona Antonia Maria de Souza Oliveira. “Eu fico muito feliz em receber essa homenagem, principalmente, por representar as mulheres agricultoras. Enquanto viva eu estiver defenderei a bandeira de luta das mulheres”, disse emocionada. Ainda receberam as placas os agricultores Francisco de Assis Lima, Marcio Cleido de Sousa Moura e Miguel Saraiva de Moura.

As famílias também receberam certificados emitidos pela Comissão de Avaliação do projeto para os agricultores e agricultoras que estão quites com as normas e exigências do Ministério da Agricultura. O selo confere poderes para tudo que for produzido ser atestado como orgânico.

Hoje, o projeto no território do Apodi atua nos municípios do Apodi, Governador Dix Sept Rosado, Janduis e Umarizal. Conta com a participação de 30 famílias cadastradas. A expectativa do território é dobrar esse número associando mais famílias a partir de 2020.

A celebração da colheita no Apodi contou com as presenças de representantes das organizações parceiras do projeto como o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais dos municípios envolvidos no projeto, Secretaria de Agricultura de Umarizal e Embrapa Algodão.

A próxima festa da colheita acontecerá no território do Sertão do Cariri Paraibano (PB) no próximo dia 23.

Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos — O projeto é uma iniciativa coordenada por Diaconia, em parceria estratégica com a Embrapa Algodão e a Universidade Federal de Sergipe (UFS, Campus Sertão — Nossa Senhora da Glória). O projeto conta com o apoio técnico e financeiro do Instituto C&A. A iniciativa teve início em agosto de 2018 e tem duração de dois anos. Para a execução nos territórios, foram estabelecidas parcerias com ONG’s locais com experiência em Agroecologia para fortalecer os Organismos Participativos de Avaliação de Conformidade (OPAC’s). No Sertão do Piauí, a Cáritas Diocesana de São Raimundo Nonato desenvolve as atividades na Serra da Capivara. No Sertão do Cariri, na Paraíba, o trabalho está sendo realizado pela Arribaçã. No Sertão do Araripe, em Pernambuco, as ONG’s Caatinga e Chapada assumiram conjuntamente as ações do projeto. As atividades no Alto Sertão de Alagoas e no Alto Sertão de Sergipe estão a cargo do Instituto Palmas e do Centro Dom José Brandão de Castro, respectivamente. No Sertão do Pajeú (PE) e no Oeste Potiguar (RN), territórios onde a Diaconia já mantém escritórios e atividades, ela mesma se encarrega da implementação das ações locais do projeto.