Voltar para   página anterior

Parceria entre o Projeto Algodão e a Fundação Interamericana (IAF) favorece o avanço na cadeia de valor alimentar e o acesso ao comércio justo para a agricultura familiar

Por Thamires Lima


Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco são os territórios que irão receber unidades de beneficiamento dos produtos do Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos

Grupo de Agricultores e Agricultoras da Associação Agroecológica de Certificação Participativa do Cariri Paraibano (ACEPAC)

Um grande avanço para o Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos em 2021 foi firmar parceria com a Fundação Interamericana (IAF) – Inter-American Foundation – , que se soma a outras parcerias estratégicas importantes como a Laudes e o FIDA. Além de apoiar a ação do projeto no semiárido, a parceria busca ampliar linhas de atuação como o avanço na cadeia de valor de outros produtos como o milho, feijão, gergelim e amendoim, também possibilita o acesso ao comércio justo e viabiliza a melhoria de rendimentos de cultivos nos roçados com o uso das tecnologias poupadoras de mão de obra.

A ação do Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos no semiárido envolve a agricultura familiar, garantindo a certificação orgânica participativa e a produção de produtos além do algodão, com a diversidade de culturas alimentares. A produção é feita de forma coletiva por meio dos organismos participativos de avaliação da conformidade orgânica (OPACs) com o credenciamento do Ministério da Agricultura.

Inicialmente, com a parceria, os territórios que irão receber as unidades de beneficiamento do projeto são: Rio Grande do Norte, no Oeste Potiguar através da ACOPASA, Paraíba, no Cariri Paraibano, com a ACEPAC e Pernambuco, no Sertão do Pajeú com a ASAP. “A parceria vai fortalecer o trabalho que já é desenvolvido pelo projeto, vai avançar nas linhas de produção e aproximar as novas cadeias do mercado que tem boa receptividade, aumentando a renda para as famílias agricultoras que irão começar a comercializar outros produtos, possibilitando o acesso às tecnologias poupadoras de mão de obra, além de gerar a segurança alimentar para quem produz e quem consome os alimentos”, comenta Fábio Santiago, coordenador do Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos. A comercialização dos alimentos em consórcios agroecológicos se dá com a diversidade dos produtos como o feijão que vai poder ser ensacado, o amendoim será transformado em pasta de amendoim, a pasta de tahine será feita com as sementes do gergelim, entre outros. Para isso, cada unidade de beneficiamento irá receber equipamentos que possibilitam essa produção.

David Fleischer, representante da IAF para o Brasil, afirma que a expectativa da parceria com o projeto é animadora. “O projeto da Diaconia e parceiros é uma iniciativa importante para a IAF porque representa uma oportunidade de fortalecer os sistemas produtivos e a renda de agricultores familiares no nordeste do Brasil. Os equipamentos e o apoio técnico previstos no projeto serão importantes para facilitar o cultivo do algodão agroecológico, e outros cultivos que vão diversificar a composição da renda dessas comunidades. Além disso, o apoio aos processos de certificação participativa de orgânicos na região também permite gerar autonomia nos grupos organizados de agricultores e agricultoras, ao mesmo tempo que valoriza o produto orgânico. Estamos animados com essa oportunidade de apoiar a Diaconia e seus parceiros nessa iniciativa”, conta.

“É com muita alegria que a gente comemora, celebra e agradece por essa nova parceria. É muito importante contar com mais uma agência de cooperação que apoia o trabalho institucional de Diaconia no semiárido. Desde o início de 2020 estamos discutindo essa possibilidade com a Fundação Inter-americana e, este ano, esse processo se afirma e nós começamos a atuar em parceria com a IAF” afirma Waneska Bonfim, coordenadora político-pedagógica da Diaconia.

Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos – É uma iniciativa coordenada por Diaconia, em parceria estratégica com a Universidade Federal de Sergipe (UFS, Campus Sertão – Nossa Senhora da Glória/SE). O Projeto conta com o apoio financeiro da Laudes Foundation, da  Inter-American Foundation (IAF) e do FIDA/AKSAAM/UFV/IPPDS/FUNARBE. Para a execução do Projeto nos territórios, a Diaconia estabeleceu parcerias com ONGs locais com experiência em Agroecologia que serão responsáveis pelo assessoramento técnico para fortalecer os Organismos Participativos de Avaliação da Conformidade Orgânico (OPACs) e a produção agroecológica. No Sertão do Piauí, a Cáritas Diocesana de São Raimundo Nonato desenvolve as atividades na Serra da Capivara. No Sertão do Cariri, na Paraíba, o trabalho está sendo realizado pela Arribaçã. No Sertão do Araripe, em Pernambuco, as ONGS CAATINGA e Chapada assumiram conjuntamente as ações do Projeto. As atividades no Alto Sertão de Alagoas e no Alto Sertão de Sergipe estão a cargo do Instituto Palmas e do Centro Dom José Brandão de Castro (CDJBC), respectivamente. No Sertão do Pajeú (PE) e no Oeste Potiguar (RN), territórios onde a Diaconia já mantém escritórios e atividades, ela mesma se encarrega da implementação das ações locais do Projeto.