Voltar para   página anterior

Projeto Algodão e SENAI Indústria Têxtil e Confecções da Paraíba sinalizam parceria para fiação da pluma do algodão agroecológico

Por Tadzio Estevam


Equipe da Diaconia, Vert Shoes e Organic Cotton Colours durante visita ao SENAI. Fotos: Acervo Projeto Algodão

O Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos está prestes a dar mais um passo importante no avanço das questões ligadas ao comércio justo para o algodão que é produzido pela agricultura familiar dos territórios do semiárido Nordestino onde atua. No último dia 10 de fevereiro, representantes da Diaconia – organização executora do projeto -, acompanhada das empresas compradoras do algodão, a francesa Vert Shoes e a espanhola Organic Cotton Colours (OCC), visitaram o Instituto SENAI de Tecnologia em Têxtil e Confecção, na Paraíba, para conhecer as instalações do parque têxtil e fabril da unidade de ensino com o objetivo de firmar uma parceria para uma possível fiação da pluma produzida pelas famílias agricultoras. As organizações estão elaborando o instrumento de cooperação para institucionalizar a relação.

Apresentação da Unidade foi feita pelo coordenador da área têxtil, Luís Sávio

Para a gerente da unidade que existe há dois anos, Patrícia Ventura, a parceria com o projeto do algodão será uma inovação para a unidade que dispõem da estrutura necessária para realizar a fiação de toda a pluma que será produzida na safra deste ano. “Para nós do SENAI, vislumbrar uma cooperação técnica com um projeto dessa magnitude que é o do algodão agroecológico é de um valor imensurável, uma vez que estamos vocacionando nosso instituto cada vez mais para atuar neste setor. Existe um leque gigante de oportunidades não só nas áreas da tecnologia, da inovação e da prestação de serviços, mas também da educação profissional, pois oferecemos cursos que atendem a outras demandas como corte e costura, criação e design, voltados ao mercado de trabalho. Vimos possibilidades enormes de firmarmos parceria com o projeto, aonde dentro desse imenso guarda-chuva poderemos ver a nossa contribuição enquanto SENAI”. A unidade tem capacidade de fiar até 13,5 toneladas de fio 30 por mês. O parque têxtil e fabril conta com uma estrutura completa para receber toda a pluma produzida pelo projeto e beneficiá-la. “Além de fiar, ainda temos condições de tecer esse fio, oferecendo todo o passo a passo do processo fabril, caso seja necessário”.

De acordo com Fábio Santiago, coordenador do projeto pela Diaconia, a parceria com o SENAI irá potencializar toda a cadeia produtiva agroecológica do algodão e facilitar o envio do produto, em fios, para o mercado. “Estamos bastante animados e animadas com a possibilidade de firmarmos uma parceria com o SENAI, uma instituição séria e comprometida com o desenvolvimento do País, que irá contribuir muito para a evolução do projeto do algodão. Será um casamento perfeito, uma vez que comercializar o algodão já em fio acelera o processo e agrega valor financeiro beneficiando ainda mais as famílias”.

Após a reunião, toda equipe foi convidada a conhecer o parque têxtil da unidade

Após a reunião, toda equipe foi convidada a conhecer o parque têxtil da unidade por onde poderá passar, futuramente, todo o algodão agroecológico produzido pelo projeto na safra de 2020.

SENAI – O Instituto SENAI de Tecnologia Têxtil e Confecção da Paraíba tem a capacidade de atender a cadeia produtiva do segmento têxtil desde a produção do fio até a confecção do produto final. A unidade conta com máquinas de fiação completa, tecelagem, malharia, beneficiamento, estamparia digital e confecção. O quadro de profissionais inclui designers, técnicos têxteis, modelistas e costureiras que fazem parte de um processo produtivo completo. O Senai está localizando no complexo industrial da Paraíba, às margens da BR 101.

Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos – É uma iniciativa coordenada por Diaconia, em parceria estratégica com a Embrapa Algodão e a Universidade Federal de Sergipe (UFS, Campus Sertão – Nossa Senhora da Glória). O projeto conta com o apoio técnico e financeiro da Laudes Foundation.

Para a execução do projeto nos territórios, a Diaconia estabeleceu parcerias com ONG’s locais com experiência em Agroecologia que serão responsáveis pelo assessoramento técnico para fortalecer os OPAC’s e a produção agroecológica.

No Sertão do Piauí, a Cáritas Diocesana de São Raimundo Nonato desenvolve as atividades na Serra da Capivara. No Sertão do Cariri, na Paraíba, o trabalho está sendo realizado pela Arribaçã. No Sertão do Araripe, em Pernambuco, as ONG’s CAATINGA e Chapada assumiram conjuntamente as ações do projeto. As atividades no Alto Sertão de Alagoas e no Alto Sertão de Sergipe estão a cargo do Instituto Palmas e do Centro Dom José Brandão de Castro, respectivamente.

No Sertão do Pajeú (PE) e no Oeste Potiguar (RN), territórios onde a Diaconia já mantém escritórios e atividades, ela mesma se encarrega da implementação das ações locais do projeto.