Voltar para   página anterior

Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos é apresentado no II Seminário “Algodão Agroecológico e Sistemas Alimentares”

Por Thamires Lima


Evento foi realizado pelo governo do Rio Grande do Norte por meio das Secretarias de Agricultura Familiar (Sedraf) e Agricultura, Pecuária e Pesca (Sape), o Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), o Projeto Governo Cidadão e a Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn)

Fábio Santiago, coordenador do Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos

O Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos foi apresentado no II Seminário “Algodão Agroecológico e Sistemas Alimentares” que buscou conhecer as práticas de produção e comercialização do algodão agroecológico de instituições que já trabalham com o produto. O evento foi promovido pelo Governo do Rio Grande do Norte, por meio das Secretarias de Agricultura Familiar (Sedraf) e Agricultura, Pecuária e Pesca (Sape), o Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), o Projeto Governo Cidadão e a Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn).

O Governo do RN, através da Sedraf, Sape, Emater, Emparn e Projeto Governo Cidadão, está construindo o Projeto Algodão Agroecológico Potiguar, que busca a revitalização da cultura do algodão no Rio Grande do Norte associada aos sistemas agroalimentares. Para assistir ao Seminário, basta clicar neste link: https://www.youtube.com/watch?v=x9IHewPvhiI

“Apresentamos um modelo de desenvolvimento que passa por regras e boas práticas – protocolo – do algodão consorciado com certificação orgânica participativa a partir do controle da conformidade de qualidade orgânica nas unidades familiares produtivas dos Organismos Participativos de Avaliação da Conformidade Orgânica (OPACs). É  um modelo que possibilita estruturar outras cadeias produtivas além do algodão como milho, feijão, gergelim, amendoim e outros produtos na comercialização ao mercado orgânico” afirma Fábio Santiago,  coordenador do Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos pela Diaconia. Fábio ressalta que o convite mostra que o projeto começa a incentivar políticas públicas e tem um potencial de inclusão de novas famílias.

O Projeto Algodão em consórcios agroecológicos tem sido uma ferramenta  fundamental para o desenvolvimento de práticas de produção de alimentos sustentáveis fortalecendo os agroecossistema das famílias agricultoras,  proporcionando uma produção de alimentos diversificada, com atividades de conservação e recuperação do bioma caatinga. A coordenação territorial de Diaconia no Oeste Potiguar – RN, Risoneide Lima, fala sobre a importância da parceria da Diaconia com o Governo do RN. “A nossa aproximação através da Sedraf por meios dos seminários é mais uma forma de fortalecimento da agroecologia para convivência com semiárido”, comenta.

“Os seminários estão sendo essenciais para apoiar a cadeia produtiva do algodão e avançar na transição agroecológica. Nossa proposta inicial é a produção do algodão e de alimentos em consórcio, seguindo os princípios da agroecologia e da convivência com o semiárido”, disse Alexandre Lima, titular da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e da Agricultura Familiar do Rio Grande do Norte.

Cesar Oliveira, diretor geral da Emater, fala sobre o interesse em dialogar, reconhecer e valorizar iniciativas que estão em curso com experiências que proporcionam o protagonismo dos agricultores e agricultoras familiares. “Considero louvável a atuação da Diaconia, uma grande parceira nessa iniciativa do algodão agroecológico. O Rio Grande do Norte está dando um passo do tamanho que é possível, dialogando com experiências ricas no Nordeste para implantar um projeto piloto local e construir uma estratégia enquanto política pública governamental. Vamos fazer com pé no chão dando passos possíveis nesse momento”, concluiu.

Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos – É uma iniciativa coordenada por Diaconia, em parceria estratégica com a Universidade Federal de Sergipe (UFS, Campus Sertão – Nossa Senhora da Glória/SE). O Projeto conta com o apoio financeiro da Laudes Foundation e do FIDA/AKSAAM/UFV/IPPDS/FUNARBE. Para a execução do Projeto nos territórios, a Diaconia estabeleceu parcerias com ONGs locais com experiência em Agroecologia que serão responsáveis pelo assessoramento técnico para fortalecer os Organismos Participativos de Avaliação da Conformidade Orgânico (OPACs) e a produção agroecológica. No Sertão do Piauí, a Cáritas Diocesana de São Raimundo Nonato desenvolve as atividades na Serra da Capivara. No Sertão do Cariri, na Paraíba, o trabalho está sendo realizado pela Arribaçã. No Sertão do Araripe, em Pernambuco, as ONGS CAATINGA e Chapada assumiram conjuntamente as ações do Projeto. As atividades no Alto Sertão de Alagoas e no Alto Sertão de Sergipe estão a cargo do Instituto Palmas e do Centro Dom José Brandão de Castro (CDJBC), respectivamente. No Sertão do Pajeú (PE) e no Oeste Potiguar (RN), territórios onde a Diaconia já mantém escritórios e atividades, ela mesma se encarrega da implementação das ações locais do Projeto.